quarta-feira, 11 de outubro de 2017

AS QUATRO SEMENTINHAS


BOM PARA O DIA DAS CRIANÇAS

Um caipira saiu a semear...
É uma versão da parábola do semeador(Lucas 8 de 4 a 15), contada para crianças, interpretada por crianças...

SEMEADOR: “que bão dia para samiá umas semente! ispero que elas brote e dê muitos fruto! Pena que num depende de mim o seu crescimento , mas minha parte eu tô fazeno (olha pro chão, perto do saco de sementes) _uai, sô! O saco deve tê rasgado e caiu quatro sementinha aqui no chão (abaixa-se e as pega) _vão sê as primeira a sê samiada.... (sai em seguida)


NARRADOR: Então o semeador passou o dia inteiro semeando todas as sementes que havia colocado em sua sacola... estava um dia maravilhoso e ele trabalhava com muita vontade e alegria... 
Haviam passarinhos cantando bem alto nos pés de eucalipto, o sol iluminava de um dourado maravilhoso o milharal do sitio vizinho, que era cercado por umas plantas espinhosas, mas apesar do perigo dos espinhos, até que era uma cerca muito bonita que se estendia até umas pedreiras lá no alto do morro... o semeador trabalhou duro, mas nunca deixava o sorriso sair do seu rosto, pois aquela era sua vida... 
No fim da tarde, quando o sol já estava se despedindo, o semeador volta para sua casa, feliz por mais um dia de trabalho...agora era só esperar as sementinhas germinarem...


SEMENTINHA 1: Acho que caí de mal jeito...ai, minhas costas..parece que fui pisada...preciso chegar naquela terrinha ali..não vejo a hora de nascer!!


CORVO: Hum...olá sementinha...


SEMENTINHA 1: Quem é você?


CORVO: Eu??? Sou um corvo.


SEMENTINHA 1: Corvo? O que é um corvo?


CORVO: Eu sou uma ave... Sabe o que nós aves mais gostamos de fazer?


SEMENTINHA 1: Não... Nunca conversei com ninguém, que não fosse semente.


CORVO: Gostamos de engolir sementes apetitosas e gordinhas como 

você....uahh!!


SEMENTINHA 1: Socorro!!! Alguém me ajude!!!

o corvo a ataca...


SEMENTINHA 2: Ai , que alegria! Estou germinando! Vejam minha raiz aparecendo, logo, logo darei muitos, frutos para alegria de todos! lá-lá-lá-lá....

o sol aparece


SEMENTINHA 2: Puxa vida, que calorão!!!


SOL: É verdade, sementinha... Hoje nem eu estou me aguentando...ufa!!


SEMENTINHA 2: Será que não dá pro senhor ir mais pra lá, não? Eu estou ficando desidrata!


SOL: É uma pena... Fui criado para não sair daqui... Não posso fazer nada... Só vai melhorar lá pelas cinco e meia da tarde...


SEMENTINHA 2: Mas seu sol, não tô aguentando... Preciso de água senão vou morrer! Alguém me ajude! Água, água!!! Água!!! Cof!!! Cof!!! Água!!!


SOL: Sinto muito, mas quando me emociono, esquento ainda mais...buá – tadinha da sementinha...


SEMENTINHA 2: Água...á-g-u-a...á... ( se encolhe e fecha os olhos) adeus, estou morrendo...

o sol continua chorando


SEMENTINHA 3: Aqui estou eu! Já estou crescendo, vejam que bom lugar eu estou, protegida do corvo que comeu a minha amiga e protegida do sol que secou a outra sementinha...coitadinhas...ainda bem que me dei bem...


ESPINHEIRO: Com licença, ô sementinha...


SEMENTINHA 3: Pois não, espinheiro...quer dizer alguma coisa?


ESPINHEIRO: Sabe o que é? Essa terra já tem dono..os espinheiros já vivem aqui por muito tempo, não sei se você vai conseguir viver no meio de tantos espinhos, não...


SEMENTINHA 3: Ué, por que você tá dizendo isso agora? Nós crescemos juntos...


ESPINHEIRO: é, mas as plantas da minha família crescem mais rápido e jogamos nossos braços por todo lado e sinto que vou crescer mais... (começa a levantar devagar e abraça a sementinha).


SEMENTINHA 3: Tire essas mãos espinhentas de cima de mim!! Eu quero crescer!!!


ESPINHEIRO: Não posso, faz parte da minha natureza enrolar em qualquer coisa!


SEMENTINHA 3: Me solta!!! Socorro!! Você está me sufocando! Cof! Cof! Aiii!!! Cof! Cof!


ESPINHEIRO: Sinto muito, sementinha, não posso fazer nada!
(a sementinha morre nos braços do espinheiro)


ESPINHEIRO: Eu tentei avisar... Essa terra só dá espinhos...

árvore entra


SEMEADOR: Mas que belezura de arve, meu Deus...óia só quanta fruta nela! é já tá na hora de coiê o que eu prantei...bem dispos eu faço isso..agora vô discansá um poco imbaixo dessa sombrinha...


ÁRVORE: Olha só como estou linda! Eu também era uma sementinha, mas tive tudo a meu favor. Cresci em terra boa... Não fui comida pelos pássaros, não fui pisada... Tive sol na medida certa... Não fui jogada no meio das pedras e nem no meio dos espinhos... Aí vieram as chuvas e aqui estou eu! Firme! Forte! Feliz e alegre!


NARRADOR: “ e os seus discípulos o interrogaram, dizendo: Que parábola é esta?
Respondeu-lhes jesus:
A vós outros é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; aos demais, fala-se por parábolas, para que, vendo, não vejam; e , ouvindo, não entendam.
Este é o sentido da parábola: A semente é a palavra de Deus;
A que caiu a beira do caminho são os que a ouviram; Vem, a seguir, o diabo e arrebata-lhes do coração a palavra, para não suceder que, crendo, sejam salvos...
A que caiu sobre a pedra, são os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; estes não tem raiz, creem apenas por algum tempo e, na hora da provação, se desviam...
A que caiu entre espinhos são os que ouviram e, no decorrer dos dias, foram sufocados com os cuidados, riquezas e deleites da vida; os seus frutos não chegam a amadurecer...
A que caiu na boa terra são os que, tendo ouvido de bom e reto coração, retêm a palavra; estes frutificam com perseverança...

FONTE:

WEB -http://www.teatrocristao.net

sábado, 13 de maio de 2017

Orações Subordinadas Substantivas - Exercícios (Gabarito)

1. (FCMSCSP) A palavra se é conjunção subordinativa integrante (por introduzir oração subordinada substantiva objetiva direta) em qual das orações seguintes?

a) Ele se morria de ciúmes pelo patrão.
b) A Federação arroga-se o direito de cancelar o jogo.
c) O aluno fez-se passar por doutor.
d) Precisa-se de pedreiros.
e) Não sei se o vinho está bom.

2. (FCE-SP) "Os homens sempre se esquecem de que somos todos mortais." A oração destacada é:

a) substantiva completiva nominal
b) substantiva objetiva indireta
c) substantiva predicativa
d) substantiva objetiva direta
e) substantiva subjetiva

3. (FEI-SP) "Estou seguro de que a sabedoria dos legisladores saberá encontrar meios para realizar semelhante medida." A oração em destaque é substantiva:

a) objetiva indireta
b) completiva nominal
c) objetiva direta
d) subjetiva
e) apositiva

4. (UCMG) Há oração subordinada substantiva apositiva em:

a) Na rua perguntou-lhe em tom misterioso: onde poderemos falar à vontade?
b) Ninguém reparou em Olívia: todos andavam como pasmados.
c) As estrelas que vemos parecem grandes olhos curiosos.
d) Em verdade, eu tinha fama e era visto valsista emérito: não admira que ela me preferisse.
e) Sempre desejava a mesma coisa: que a sua presença fosse notada.

5. (UFMG) Na frase "Maria do Carmo tinha a certeza de que estava para ser mãe", a oração em destaque é:

a) subordinada substantiva objetiva indireta
b) subordinada substantiva completiva nominal
c) subordinada substantiva predicativa
d) coordenada sindética conclusiva
e) coordenada sindética explicativa

6. (UFPA) Qual o período em que há oração subordinada substantiva predicativa?

a) Meu desejo é que você passe nos exames vestibulares.
b) Sou favorável a que o aprovem.
c) Desejo-te isto: que sejas feliz.
d) O aluno que estuda consegue superar as dificuldades do vestibular.
e) Lembre-se de que tudo passa neste mundo.

7. (FESP) "Lembro-me de que ele só usava camisas brancas." A oração em destaque é:

a) substantiva completiva nominal
b) substantiva objetiva indireta
c) substantiva predicativa
d) substantiva subjetiva
e) n.d.a.

8. Procurando se ater ao código ora exposto, relacione a segunda coluna de acordo com a primeira:
a – (A) oração subordinada objetiva direta
b – (B) oração subordinada completiva nominal
c – (C) oração subordinada objetiva indireta
d – (D) oração subordinada subjetiva
e – (E) oração subordinada predicativa
(  C ) Ninguém desconfiava de que as decisões já estavam tomadas.
(  B ) Chegamos à conclusão de que nosso passeio não acontecerá.
( E  ) O problema é que não confio em você.
( A  ) O barulho constante não permite que os moradores vivam tranquilos.
(   D) Decidiram-se que as novas mercadorias teriam um novo valor.

9. (Uberlândia) Na frase: “Suponho que nunca teria visto um homem”, a subordinada é:
a – (   ) substantiva objetiva direta
b – (   ) substantiva completiva nominal
c – (    ) substantiva predicativa
d – (    ) substantiva apositiva
e – (    ) substantiva subjetiva

10. (F. Tibiriçá-SP) No período "Todos tinham certeza de que seriam aprovados", a oração destacada é:

a) substantiva objetiva indireta
b) substantiva completiva nominal
c) substantiva apositiva
d) substantiva subjetiva
e) n.d.a.

11. (UFSCar-SP) Marque a opção que contém oração subordinada substantiva completiva nominal.

a) "Tanto eu como Pascoal tínhamos medo de que o patrão topasse Pedro Barqueiro nas ruas da cidade."
b) "Era preciso que ninguém desconfiasse do nosso conluio para prendermos o Pedro Barqueiro."
c) "Para encurtar a história, patrãozinho, achamos Pedro Barqueiro no rancho, que só tinha três divisões: a sala, o quarto dele e a cozinha."
d) "Quando chegamos, Pedro estava no terreiro debulhando milho, que havia colhido em sua rocinha, ali perto."
e) "Pascoal me fez um sinalzinho, eu dei a volta e entrei pela porta do fundo para agarrar o Barqueiro pelas costas."

12. (F. Objetivo-SP) No período: "É necessário que todos se esforcem", a oração destacada é:

a) substantiva objetiva direta
b) substantiva objetiva indireta
c) substantiva completiva nominal
d) substantiva subjetiva
e) substantiva predicativa

13. (F. Objetivo-SP) "A verdade é que a gente não sabia nada..." Classifica-se a segunda oração como:
a) subordinada substantiva objetiva direta
b) subordinada adverbial conformativa
c) subordinada substantiva objetiva indireta
d) subordinada substantiva predicativa
e) subordinada substantiva apositiva

Gabarito

1 – E / 2 – B/ 3 – B/ 4 – E / 5 – B/ 6 – A 7 - B
8-(  C  ) Ninguém desconfiava de que as decisões já estavam tomadas.
(  B  ) Chegamos à conclusão de que nosso passeio não acontecerá.
(  E  ) O problema é que não confio em você.
(  A  ) O barulho constante não permite que os moradores vivam tranquilos.
(  D ) Decidiram-se que as novas mercadorias teriam um novo valor.

9 -Alternativa “A”./ 10 – B /11 – A /12 – D / 13 - D


01 .TOCANDO EM FRENTE

(Almir Sater / Renato Teixeira)
Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz,
Quem sabe eu só levo a certeza
De que muito pouco eu sei
Ou nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor para poder pulsar
É preciso paz para poder sorrir
É preciso chuva para florir
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada, eu sou
Estrada eu vou
Todo mundo ama um dia
Todo mundo chora um dia
A gente chega e no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
E cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Após ler atentamente o texto, responda às questões:

1. Assinale mais de uma alternativa que esteja de acordo com o texto:
a. ( ) Para o poeta, a vida deve ser levada, tocada como uma boiada, pois não conseguimos entender a imprevisibilidade de ambas.
b. ( ) Só é possível ser feliz nesta jornada, depois de um toque de Deus, o velho boiadeiro, que nos impulsiona pela longa estrada da vida.
c. ( ) Só através do choro individual e de outros é que descobrimos o valor de um sorriso.
d. ( ) Manhãs, maçãs e chuva fazem parte da nossa história, já que não somos donos do nosso destino.
e. ( ) Segundo o poeta, para se viver, é necessário entender o andamento da jornada e
2. Coloque  V para as afirmativas  e F para falso, de acordo com o texto:
a. (  V) Viver é uma aprendizagem, fruto da observação atenta das alegrias e dos sofrimentos pelos quais passamos.
b. ( F) Ser feliz é o destino de todos os seres humanos, independendo das chegadas e das partidas.
c. (V ) A consciência do significado da vida e o dom da capacidade de construirmos a nossa história nos deixa mais fortes, mais felizes.
d. (F ) O poeta tem hoje um sorriso de serenidade porque nunca levou a vida com ligeireza.
e. (V ) Para podermos saborear a vida, precisamos vivenciar a paz e o amor, entre outros fatores que nos mostram que é possível compormos a nossa história com serenidade.

Marque a única alternativa correta:
3. Há várias comparações no texto que nos leva a concluir que o poeta fala:
a. ( ) da boiada
b. ( ) do boiadeiro
c. ( ) do sabor das frutas
d. ( ) dos dias vividos
e. ( ) do dom da felicidade de cada um de nós

4. Nos versos 5 e 6, o poeta demonstra que se considera um homem:
a. ( ) orgulhoso
b. ( ) sem cultura
c. ( ) experiente
d. ( ) humilde

Gabarito
Questão 1. Alternativas a, c, e
Questão 2. a. (V)       b. (F)       c. (V)      d.(F)        e.(V)
Questão 3. Alternativa (e)
Questão 4. Alternativa (d)
Questão 5. A vida do poeta era agitada e sofrida, demonstrado nos versos 1 e 2


sexta-feira, 4 de março de 2016

OFICINA DE POEMAS

Objetivos:
Aprender a escutar; ler; compreender; interpretar; declamar e produzir; revisar; editar e socializar poemas. 
Reconhecer e fazer uso do gênero bem como de recursos característicos do poema como verso, estrofe, rima,  linguagem poética, sonoridade e linguagem figurada; diferenciar eu-lírico de narrador; reconhecer os poemas em suas mais varias formas; perceber a relação com outros textos lidos; diferenciar poema de prosa


Conteúdo
Recursos da linguagem poética, quanto à sonoridade: rima e ritmo, e quanto ao significado das palavras: linguagem figurada, conotação e denotação,  metáfora;
Estrofes e Versificação;
Pontuação, como marca expressiva;
Intertextualidade;
Escolha do vocabulário

1ª AULA 04/03/2016

Atividade Diagnóstica

Qual a diferença entre poesia e poema?

Ouvir as possibilidades de respostas e posteriormente conferir com as definições corretas - através de um cartaz previamente elaborado, no datashow,  ou  em não havendo alternativa, no quadro mesmo; caso fique somente na oralidade o aluno pode esquecer.


. Poesia – É a linguagem que comove, encanta e desperta sentimentos, confere ao texto (seja ele em versos ou prosa) harmonia e beleza. É a arte de criar com palavras, está presente no poema
Qual é a Qual é a diferença entre poema e poesia?
Poema – Obra literária apresentada em versos, caracterizada pela criatividade e emprego de figuras de linguagem.  É a obra que se faz com a poesia e na qual há a presença do eu-lírico.

ATIVIDADES 

1) Leia o poema abaixo e faça também um poema no qual você defina em metáforas o que é a vida.

VIVA A VIDA

A vida é uma oportunidade, aproveite-a...
A vida é beleza, admire-a...
A vida é felicidade, deguste-a...
A vida é um sonho, torne-o realidade...
A vida é desafio, enfrente-o...
A vida é um dever, cumpra-o...
A vida é um jogo, jogue-o...
A vida é preciosa, cuide dela...
A vida é uma riqueza, conserve-a...
A vida é amor, goze-o...
A vida é mistério, descubra-o...
A vida é tristeza, supere-a...
A vida é um hino, cante-o...
A vida é uma luta, aceite-a...
A vida é aventura, arrisque-a...
A vida é alegria, mereça-a...
A vida é vida, defenda-a...

(Madre Tereza de Calcutá)



VIVA A VIDA

A vida é uma brincadeira, brinque-a...
A vida é um perfume, use-o...
A vida é doce, experimente...
A vida é um caminho, percorra -a...
A vida é uma batalha, vence-a...
A vida é uma escola, estude-a...
A vida é um aprendizado, busque-o...
A vida é risco, arrisque -se...
A vida é uma joia, conserve-a...
A vida é alegria, alegre-se.
A vida é uma descoberta, conheça-o...
A vida é um tesouro, ache-o...
A vida é uma música, dance-o...
A vida é uma luta, aceite-a...
A vida é receita, experimente-a...
A vida é interessante, interesse- ss...
A vida é vida, defenda-a...
(TEXTO COLETIVO 7ºM1)

Viva a vida

A vida é um  presente ; receba-a...
A vida é uma brincadeira; brinque -a...
A vida é comida; coma -a...
A vida é um estudo; estude -a...
A vida é um perfume; sente -o...
A vida é uma obra de arte; admire -a...
A vida é uma música; ouça -a...
A vida é uma corrida; corra...
A vida é uma dança; dance - a...
A vida é caminho, siga -o...
A vida é uma luta,  vença- a...
A vida é uma estrela, conquiste -a...
A vida é um troféu, ganhe -o...
A vida é uma novela, assiste-a...
A vida é um remédio, tome-o...
A vida é perplexa, admire-a...
A vida é vida, defenda-a...
(POEMA COLETIVO – 7º M2)

quinta-feira, 3 de março de 2016

Roda de Leitura - 7º anos - EEEFM " São Luis"

A leitura é um instrumento valioso para a apropriação de conhecimentos relativos ao mundo exterior. Ela amplia e aprimora o vocabulário e contribui para o desenvolvimento de um pensamento crítico e reflexivo, pois possibilita o contato com diferentes idéias e experiências. Assim, é obrigação da escola desenvolver o gosto e o prazer pela leitura, tornando os estudantes capazes de compreender diferentes gêneros textuais que circulam na sociedade, de modo a formar leitores competentes e autônomos, contribuindo para a sua inclusão e interação na sociedade.


Segundo o filósofo francês Voltaire3 , “perigoso não é o homem que lê, é o que relê”. Isso ocorre porque ler é conhecer e, na releitura, há uma maior compreensão do texto, conseqüentemente, do mundo a que ele se refere e do qual o leitor participa, possibilitando uma consciência mais crítica e uma atitude mais ativa




Ainda hoje em um século
 tecnológico, percebemos que a oralidade continua sendo o maior meio de comunicação e por isso estamos resgatando alguns valores de nossos antepassados, com brincadeiras de roda e ler uns para os outros, um lugar gostoso. Embaixo das arvores!




Assim como a natureza, não existe história velha ou antiga, pois tudo se transforma à medida que trabalhamos e moldamos os textos. Para isso, precisamos vivenciar a história através de vários tipos de leitura e construção gramatical. Temos que entender o enredo e o que o autor gostaria de passar através daquelas poucas linhas e frases. Imagine os fatos e construa mentalmente as ações dos personagens. Esqueça por um momento a pontuação feita no texto original e busque em cada palavra o sentimento e a euforia, pois desta maneira trabalharemos o texto e enriqueceremos o valor fonético.